Na sala do cinema: La La Land

jan 28, 2017

Olá pessoal! Eu estava de férias e por isso fiquei um pouco sumida, mas agora estou de volta e vou contar tudo o que achei sobre o musical que já levou o Globo de Ouro e é um dos fortes concorrente ao Oscar, La La Land: Cantando Estações. Vem conferir!

lalaland-movie

Musical é um gênero com público bem dividido. Há quem adore e há quem detesta. Sem meio termo. Muitas vezes as pessoas nem assistem e já não gostam. É normal (apesar de que acredito que tudo precisa ser vivenciado antes do veredito). No então com La La Land, se possível, faça diferente. Vá ver! É um filme bem mais romântico que propriamente musical, bem feito, com cenas incríveis e bastante querido, daqueles que você acha tão “fofo” que quer levar para casa tudo aquilo que está diante de você.

Escrito e dirigido por Damien Chazelle (o mesmo de Whiplash), La La Land é uma declaração de amor aos musicais que eram o auge do cinema nas décadas de 30 a 50, mas que depois perderam a força. É possível ver várias referências (até um pouco demais), e se você for fã de musicais vai reconhecer várias. Se não, será tudo novidade. Enjoy!

O filme gira em torno de Mia (Emma Stone), uma jovem atriz em busca uma oportunidade ao estrelato, e de Sebastian (Ryan Gosling), um pianista que sonha em abrir seu próprio clube de jazz. Os dois se encontram e se aproximam ao decorrer do filme e a química entre os protagonistas é tanta que às vezes parecem ser um personagem só. Emma Stone faz um trabalho primoroso (não me admira ela ter levado o Globo de Ouro e ser forte concorrente ao Oscar). Não há como não se encantar com a Mia. Gosling também está muito bem. Ele tem o carisma necessário ao Sebastian, que é um personagem com um teor cômico.

A fotografia e o figurino fazem um trabalho de aplaudir de pé. É bem interessante ver uma Los Angeles que parece se passar nos anos 50/60, mas ser atual, com cores vibrantes que às vezes você tem a impressão de estar olhando para uma pintura. O longa traz cenas memoráveis, a começar logo pela abertura, feita em um plano sequência bem longo e sem cortes (pelo menos não perceptíveis) onde várias pessoas dançam no meio do trânsito. Simplesmente genial.

thumbnail_25240

Mas voltando a falar de música, principalmente para aquelas pessoas que não gostam de musicais: o filme não tem tantas canções. As músicas são pinceladas entre algumas situações e não deixam você ficar entediado. Não se preocupe. Há diálogos normais durante o longa! Mesmo tendo considerado um filme mais romântico que musical, ele consegue sim trazer certa nostalgia aos fãs dos grandes clássicos dos musicais (apesar de que em matéria de cantar e dançar, Emma e Ryan não chegam nem perto de Gene Kelly e Fred Astaire, por exemplo, mas conseguem cumprir com o que é pedido).

La La Land é bonito, fala muito sobre sonhos, amor, destino, escolhas e as consequências que elas trazem à sua vida. Além de fazer você pensar sobre as voltas que a vida dá e onde pode nos levar.  É um filme para se assistir com um sorriso no rosto, não apenas por ser divertido e atraente, mas por ser genuíno e puro. Expanda seu universo e vá prestigiar essa arte. Apenas cuidado para não sair sapateando da sala do cinema!

Até o próximo filme!

Vanessa Galvão

ale-mariz-dalena-32

Deixe uma resposta